Blog Corneta FC

Pintura tosca do círculo central em clássico uruguaio vira tema de memes

UOL Esporte

Existe a Capela Sistina, obra prima de Michelangelo. Existem grandes obras de artes. Existem desenhos bem feitos. Existem desenhos mal feitos. Existem desenhos toscos para caramba. E existe o círculo central do Centenário, que foi tão mal pintado que virou tema de memes na internet.

Nesse domingo (22), o Centenário, localizado em Montevidéu, recebeu o empate por 1 a 1 entre Peñarol e Nacional, em um dos clássicos de maior rivalidade do continente. Mas o que se destacou mesmo foi a pintura tosca do círculo central do estádio.

As imagens foram feitas por um drone.

Realmente, quem pintou devia estar um pouco desorientado.

Ou o pintor estava com pressa porque tinha que encontrar o MOMOZÃO.

Vai ver que era apenas uma homenagem a outro país.

Pelo menos, tudo acabou em pizza!

JARDINEIRO CULPA CORTE DA GRAMA

Diante da tremenda repercussão nas redes sociais, os responsáveis pelo gramado do Centenário tiveram que se explicar. Em entrevista à rádio uruguaia Sport 890, Richard Berriel – o próprio jardineiro do estádio – culpou o corte da grama pelas linhas tortas.

“Para este tipo de evento, clássicos ou jogos do Uruguai, há uma predisposição especial para o manejo do gramado pela importância do encontro e a expectativa que gera. Corta-se o gramado muitas vezes para que o piso fique bem rente”, contou Berriel, que foi além.

“Pusemos fios em todo o campo e traçamos o círculo, o que não era feito havia 15 dias. Temos um instrumento com a medida do raio do círculo – crava-se um ponto no meio e dali se traça”, completou.

Até aí, tudo bem. Mas por que o círculo torto?

“Ontem, cortei a grama duas vezes de comprido e duas vezes de lado, e não refizemos a raia do círculo (após os cortes). E o que vimos logo foi que o círculo central havia se deformado”, completou Berriel, que cuida do gramado do Centenário há 20 anos.

“Quando vi, queria me matar. O campo estava divino, mas só se falava daquilo”, lamentou o jardineiro, aceitando as críticas pelo trabalho.

Leia mais