Blog Corneta FC

Glossário da zoeira: 10 expressões que todo boleiro entende

UOL Esporte

“Aí depois do decreto eu mandei um mim acher moralizador com os bruxo, tipo lei de Gil. Os lek são poko pika, é no mínimo 10 caixas de danone, pai”.

Se você não entendeu esta frase, está precisando atualizar seu vocabulário de boleiragem:

1. Mim acher

Olha o chula obrigado Pacero pela homenagem o chula ama danone mesmo silêncio que eu posso kkkkkkkkk

Uma publicação compartilhada por Aloisio Jose da Silva (@aloisiochulapa) em

Expressão criada pelo mestre Aloísio Chulapa, nada mais é do que “me ache”, mas ganhou uma grafia diferente, provavelmente em razão do excesso de danone (ver item 3). Significa dar um perdido, um ''dibre'' na patroa ou no chefe. Exemplo: quando alguém pergunta “aonde você vai hoje”, você responde: “Mim acher!”.

 

2. Descubra

Praticamente um sinônimo de mim acher, também é invenção do Chulapa e serve para despistar quando a pessoa não quer ser encontrada. Exemplo: “Quer saber onde eu estou? Descubra!”.

 

3. Danone

Outro termo que ficou famoso graças ao Chulapa, mas foi Adriano Imperador quem convidou Aloísio para tomar um danone pela primeira vez, depois de um treino no São Paulo. Aquele danoninho com um colarinho branco… Que também pode assumir a versão “danone duplo”. Ou múltiplo. Geralmente, é atribuído à cerveja, mas pode se referir a outras bebidas consumidas após o decreto (ver item 4).

 

4. Decreto

Mim acheeee partiuuu ✈️✈️esse chula e uma onda me chama que eu vouuu 😍🍻🍻👊👊

Uma publicação compartilhada por Aloisio Jose da Silva (@aloisiochulapa) em

Autorização formal para os eventos que costumam acontecer depois das 18 horas de sexta-feira. O primeiro decreto foi promulgado por Alexandre Oliveira, em rede nacional na ESPN. A partir de então, o decreto passou a representar a abertura oficial dos trabalhos do fim de semana. É comum que o decreto seja seguido de muito danone e mim acher.

 

5. Lei de Gil

Reprodução/Youtube

Trata-se de uma espécie de pós-decreto, que estabelece padrões para evitar danos por excesso de danone. Teve origem em uma famosa entrevista em que o ex-atacante Gil dissertou sobre os limites do decreto. Afinal, vale tudo? Gil tem a resposta. Descubra.

 

6. PokoPika

Bom dia 🙏 To beleeeeeeeeeeeza

Uma publicação compartilhada por Valdivia PokoLindo 👉🏅 (@valdiviamagico_oficial29) em

Surgiu como apelido do jogador Valdívia, do Inter, mas acabou se popularizando como sinônimo de uma pessoa carismática, divertida. O sufixo “pika” tem origem no verbete “pica”, que no idioma boleiro é uma maneira efusiva de elogiar determinada pessoa ou situação.

 

7. Moralizador

Diz-se de algo que é mais do que bom. É mais do que pica. Um profundo elogio que remete aos nossos ancestrais, que resgata lembranças noventistas de Silvio Luiz narrando gol do Ravanelli no Campeonato Italiano domingo de manhã, antes do pai acender a churrasqueira ao som de Raça Negra. Por exemplo: se o decreto foi moralizador, chama o Samu.

 

8. Bruxo

Reprodução

Uma homenagem ao ''Bruxo do Dibre'', Ronaldinho Gaúcho. Que virou uma maneira carinhosa de se referir ao amigo. É a mesma coisa que parça, pai, lek, etc. Exemplo: “Hoje é dia de sair com os bruxo pra tomar um danone”.

 

9. Eh tóis

Divulgação

Corruptela de “é nóis”, nasceu durante as congregações de Neymar Jr. com seus discípulos e se popularizou graças à rede mundial de computadores. Usada frequentemente para celebrar o decreto. O motivo da alteração na grafia é incerto.

 

10. Resenha

Arquivo Folhapress

Onde tudo começa. Momento sagrado em que os guardiões da cultura boleira trocam ideias e concebem todas essas expressões, enriquecendo o vocabulário e disseminando as histórias que fazem do futebol um esporte tão único e apaixonante. Diferente do decreto, todo dia é dia de resenha.